Visão do meu eu-lírico.

Publicado: agosto 22, 2010 em Uncategorized
Tags:,

O eu é meu. Tão meu que pertence a tantos. Pode-se até dizer que geraria uma infindável roda-viva de processos de plágio!
Mas o meu eu-lírico vai contar como ele vê o mundo:

“Um dia, acordei  e não me reconheci no mundo.
Esse mundo de tantos mundos, me parecia estranho.

Um dia olhei para o espelho, e já não me reconhecia naquela imagem.
Era estranha a mim. Eu estranho. Meu lado estranho.
Percebi que os outros que vivem ao meu redor, não me estranhavam como eu mesmo me sentia estranho, foi quando olhei para eles, e percebi que não me reconheci na imagem que eles faziam de mim. Gostaria de saber o que eles enxergam; gostaria de saber como se veem.

Tanta diferença. Tanta diferença, igual para todos. Tantas mudanças, e tudo continua o mesmo desde o início.Olhei para o mundo e não me reconheci nele. Muito barulho, muita bagunça…nada do que eu realmente seja, nesse caos ligeiramente desorganizado.

Somos cegos, sem perceber. Não enxergamos além de um palmo a nossa frente. Esse órgão minúsculo que percebe a luz e a transforma em impulsos elétricos encontra suas limitações. Essa percepção que criamos a partir do que vemos, encontra suas limitações. Suas limitações.

Queria fugir mais dessa realidade, queria que fosse uma realidade menos surreal. Nessa visão que se faz. O mundo que se reflete na ambição de cada um. O egoísmo desvairado, camuflado como “vontade de vencer”, sim… Sempre! A qualquer custo! Que custo tem tudo que vemos? Quanta custa o valor que damos as nossas imagens? A qualquer custo uma imagem.

Um dia olhei para o mundo e não me encontrei nele. Tinha me perdido, feito a esperança. Meu eu-lirico, não tem mais tanto lirismo. Meu eu, não é tanto meu como penso que é.
Certo dia (que tanto poderia ser noite) não me olhei mais, com medo de sempre não me reconhecer.

Agnóstico, olhei, e esperei. Esperei que algo fizesse sentido. Esperei que o sentido fizesse sentido. Esperei acreditar que tudo pudesse ter razão nas coisas que são. Esperei, mas não olhei mais.
Um dia olhei no espelho, e nada mais era reconhecido.
Um dia olhei para as pessoas ao meu redor, e esperei me reconhecer nelas.
Um dia, certo dia, como se fosse um pouco da noite, eu não enxerguei mais nada.”

O meu eu-lírico se despede, de forma excêntrica e totalmente translocado no seu verbo de ser.

Anúncios
comentários
  1. adorei de aprender sobre tudo isso!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s